Solutis digital pagamento instantaneo PIX 750x500
Os impactos do PIX no mercado
setembro 16, 2020
solutis digital carreira tecnologia soft skills 750x500
Soft Skills na carreira de tecnologia
setembro 30, 2020

Covid-19 e o futuro dos pagamentos

solutis digital meio de pagamento pandemia covid-19 impactos blog 750-min

Existe quase um consenso em todos os setores de que o mundo pós-pandemia não será o mesmo que conhecíamos antes. O impacto já pode ser sentido em vários setores e, no financeiro, não é diferente. Um estudo divulgado no início de abril pelo BIS (Bank for International Settlements) trata justamente das mudanças que começam a ser percebidas quando se fala em pagamentos.

Isso porque a pandemia da Covid-19 trouxe uma série de preocupações públicas de que o coronavírus poderia ser transmitido pelo dinheiro, cédulas e moedas. Estas preocupações foram tão fortes que vários bancos centrais ao redor do mundo comunicaram ativamente que os riscos de contaminação por este meio eram baixos. Em seu estudo, o BIS lembra que o Banco da Inglaterra observou que “o risco representado pelo manuseio de uma nota de polímero não é maior do que tocar em outras superfícies comuns, como corrimãos, maçanetas ou cartões de crédito”.

O estudo cita ainda o Bundesbank, que aconselhou o público de que os riscos de transmissão através de notas são mínimos; o Banco do Canadá, que pediu que os varejistas parassem de recusar pagamentos em dinheiro; e o Banco de Reserva da África do Sul, que neutralizou golpes esclarecendo que não há evidência de transmissão em dinheiro e não está retirando dinheiro da circulação.

O movimento segue com outros bancos centrais. O BIS relata que o Banco Popular da China começou em fevereiro a esterilizar notas nas regiões afetadas pelo vírus. No início de março, o FED confirmou que estava colocando em quarentena dinheiro proveniente da Ásia antes da recirculação. Além disso, os bancos centrais na Coréia do Sul, Hungria, Kuwait e outros países também passaram a esterilizar ou colocar em quarentena as notas, garantindo que o dinheiro que sai dos centros monetários não esteja contaminado, e os bancos centrais ou governos da Índia, Indonésia, Geórgia e vários outros países têm incentivado pagamentos sem dinheiro.

O fato é que, independente destas ações, a percepção de que o dinheiro pode estar contaminado pode alterar o comportamento de pagamento, tanto por pessoas físicas quanto jurídicas. No Brasil, onde os pagamentos eletrônicos vêm crescendo ano após ano, esse movimento parece estar mais à frente. Dados da Febraban apontam que a fatia do mobile banking na composição do total de transações aumentou de 35% em 2017 para 40% em 2018. Em conjunto, os canais digitais ampliaram a sua participação em relação aos canais tradicionais: seis em cada dez transações bancárias já são realizadas pelo cliente pelo celular ou pelo computador.

Comprovando isso, o número de transações com movimentação financeira via mobile banking cresceu cerca de 80% em 2018 em relação a 2017. Foram 3 bilhões de transações bancárias com movimentação financeira a partir do mobile, aproximando significativamente o desempenho desse canal dos 3,9 bilhões de operações com movimentação financeira via internet banking.

Com o crescimento das operações online, o estudo constata que o surto pode levar a um aumento estrutural do uso de pagamentos móveis, cartões e online. Mas também estes exigem cuidado. Por exemplo, transações com cartão de débito e crédito geralmente exigem uma assinatura ou uma entrada de PIN em um dispositivo para transações maiores. Para evitar isso, recentemente autoridades, bancos e redes de cartões na Áustria, Alemanha, Hungria, Irlanda, Holanda, Estados Unidos, Reino Unido e outros países estabeleceram limites mais altos de transações para pagamentos sem contato.

No Brasil, o Banco Central anunciou recentemente o PIX. O PIX é um sistema de transferências de dinheiro e pagamentos instantâneos que, quando em funcionamento, permitirá transações 24 horas por dia, inclusive em fins de semana e feriados, fazendo com que elas sejam reconhecidas na hora em que forem feitas, talvez até de modo mais rápido do que o se pagamento tivesse sido feito por cartão de crédito.

Obviamente ele levará algum tempo para ser plenamente adotado, mas a tendência é de que, com o tempo, as modalidades tradicionais fiquem em segundo plano ou, eventualmente, até sejam extintas. Um bom exemplo disso é o CDBC (Central Bank Digital Currency), que é uma moeda soberana digital com o objetivo de trazer controle, transparência e auditoria ao processo de emissão e distribuição de recursos do Governo para os Estados e Prefeituras, até mesmo diretamente para a população quando necessário.

Os CBDCs representam uma evolução dos bancos centrais de todo o mundo no estudo, teste e potencial criação destas moedas digitais. Alguns deles, inclusive, vêm se reunindo em consórcios desde 2015 com o objetivo de entender melhor e testar a dinâmica e o comportamento destas plataformas. É o caso, por exemplo, dos projetos Jasper (Canadá), Ubin (Singapura) e Inthanon (Tailândia).

O movimento deve ser acompanhado de perto e com cuidado. Segundo as previsões do BIS, se o dinheiro deixar de ser aceito como meio de pagamento, isso pode abrir uma “divisão” entre pessoas com acesso a pagamentos digitais e aqueles sem, com impacto especialmente grave aos consumidores não bancarizados e idosos.

O Reino Unido, por exemplo, tem 1,3 milhão de consumidores não bancarizados. No Brasil este contingente é de mais de 45 milhões pessoas, o que mostra que em economias emergentes o acesso a essas alternativas está longe de ser universal, mostrando que o debate é importante.

Paulo Marcelo, CEO da Solutis.

 

Veja a matéria original na TI INSIDE

 

Publicações