Sol solutis post digital maturity_Blog 750x500
O significado real de Maturidade Digital
outubro 11, 2021
Sol solutis post esterprise mobility 2022_Blog 750x500
O Futuro (ou presente?) da Enterprise Mobility
outubro 18, 2021
Sol solutis post tendencias 2022_Blog 750x500

A tecnologia está na vida de virtualmente todas empresas e pessoas. Vamos para quase dois anos de uma mudança crucial para os negócios e, claro, as vidas e algumas tendências estão se consolidando. Os gestores precisam ficar de olho nessas tendências de tecnologia para 2022 para se destacar e aumentar a competitividade das empresas.

De acordo com pesquisa da IDC, o investimento em transformação digital ainda está crescendo com uma taxa anual de 15,5% até 2023 e deve se aproximar de US$ 6,8 trilhões. Em 2022, 70% de todas as empresas terão acelerado o uso de tecnologias digitais.

Algumas tendências de tecnologia para 2022

1) Tecnologia de voz

O mercado de aplicações de voz continua em expansão e deve crescer 29% ao ano entre 2021 e 2022, segundo a pesquisa Global Voice Assistant Application Market, da Absolute Reports. Os principais drivers para esse mercado são os avanços da Inteligência Artificial, Aprendizado de Máquina e Processamento de Linguagem Natural

E assim, devemos assistir ao fortalecimento de plataformas conversacionais com os bots de voz, cada vez mais aptos a entender sentimentos, intenções, comportamentos para adequar o atendimento ao mood do consumidor.

Continuaremos caminhando para interações, compras, atendimentos, chamados sem a necessidade abrir um aplicativo, acessar uma tela ou digitar informações. Segundo o Gartner, as marcas que apostarem no uso da voz alcançarão um faturamento 30% superior aos concorrentes que não investirem na tecnologia.

2) Inteligência artificial

De agora em diante, sempre. Há quem compare a AI com o advento da eletricidade como impacto na evolução da humanidade, dos negócios e sociedade. E basta ver os usos atuais – desenvolvimento de vacina, busca de cura para doenças, prospecção de ações para conter a mudança climática – para perceber que o seu potencial é incalculável (talvez, tenhamos que usar inteligência artificial para calcular!).

A IDC calcula que o mercado de inteligência artificial compute um crescimento de 15,5% em 2021 em face do mercado registrado em 2020 e outros 18,8% em 2022, contabilizando um mercado de R$ 342 bilhões.

Em 2021, contamos com o GPT-3 (Generative Pre-trained Transformer), uma plataforma de processamento de linguagem com incríveis 175 bilhões de parâmetros para que máquinas processem, aprendam, parametrizem, referenciem, resultem. Em 2022, espera-se a chegada do GPT-4, que o mercado especula alcançar 500 vezes mais capacidade – uma bagatela de 100 trilhões de parâmetros. Enfim, cada vez mais uso em cybersecurity, medicina, química, farmacologia, corrida espacial, marketing, vendas.

3) Chatbots inteligentes

Independente do GPT-4, em 2020 e 2021, nos tornamos mais digitais e com isso e-commerce, streaming e todo tipo de serviço digital deu as costas para early adopters e alçou o status de mainstream. De acordo com a UNCTAD, o comércio eletrônico cresceu perto de 20% no mundo todo – um mercado de mais de US$ 25 trilhões que representa mais de 30% do PIB de muitos países.

Neste cenário, naturalmente, será cada vez mais necessário prover suporte e atendimento em larga escala, automatizado, personalizado e eficaz. Os chatbots inteligentes estão se tornando cada vez mais essenciais.

4) Hiperautomação

De acordo com o Gartner, o mercado mundial de hiperautomação atingirá US$ 600 bilhões em 2022, o que equivalerá a um crescimento de 23% em relação a 2020.

Hiperautomação envolve abordagens como RPA, Machine Learning para automatizar processos, incluindo gerenciamento de conteúdo e orquestração de sistemas.

Ainda segundo o Gartner, até 2024, as empresas que investirem nessas abordagens contabilizarão reduções de custos operacionais de até 30%.

5) Marketing de influência

É o “referral marketing” do mundo digital. A abordagem consiste em pegar carona em produtores de conteúdos independentes, influencers, para estabelecer um diálogo entre a marca e o consumidor. Segundo a Business Insider, o marketing de influência movimentou US$ 9,7 bilhões em 2020 e deverá atingir US$ 15 bilhões até 2022.

A Nielsen estima haver mais de 500 mil influenciadores em potencial com mais de 10 mil seguidores, no Brasil. A YouPix aponta que, em 2021, houve um aumento de 71% em gastos com marketing de influência.

6) Telefonia 5G

O Fórum Econômico Mundial espera que o 5G se torne um mercado US $ 13,2 trilhões e 22,3 milhões de empregos até 2035. No Brasil, a disponibilidade parece estar próxima. O leilão do 5G deve acontecer ainda este ano (marcado para 4 de novembro) e o sinal deve estar disponível até o final do primeiro semestre de 2022. Até 2028, prevê-se a disponibilidade para todos os municípios de mais de 30 mil habitantes.

Do ponto de vista dos negócios, além de tudo o que se diz sobre conectividade, velocidade, novos serviços, o que se pode projetar é um consumidor cada vez mais mobile.  Depois de sucessivas quedas nas vendas, entre 2016 e 2019, o Statista projeta crescimento de vendas entre 2020 e 2022. Em 2022, serão 6,6 bilhões de usuários de smartphones e 7,5 bilhões em 2025.

7) Privacidade e segurança

Um mundo mais digital abre mais possibilidades para fraudes, ações maliciosas e ataques à privacidade. De acordo com a Cybersecurity Ventures, os gastos com cybersecutiry irão crescer 15% ao ano até 2025, atingindo a marca de US$ 10,5 trilhões.

Em julho deste ano, Mastercard e Datafolha apontaram numa pesquisa conjunto que mais de 70% dos entrevistados sofreram algum tipo de ameaça digital.

Outro dado que corrobora a necessidade de mais atenção e investimento com a segurança e privacidade é que apesar de 92% dos brasileiros saberem que as empresas com as quais interagem guardam algum tipo de informação sobre seus hábitos de consumo e lazer, eles temem pela segurança de seus dados no ambiente digital. A pesquisa mostra ainda que que apenas 13% avaliam que seus dados estão muito seguros e para 21% eles estão inseguros.

8) Economia circular

Mais sustentabilidade e eficiência. Modelos como compartilhamento, aluguel, reutilização e reciclagem de materiais e produtos ganham espaço nas preferências dos consumidores.

Uma pesquisa da CNI (Confederação Nacional da Indústria) mostrou que 76,5% das empresas industriais do Brasil já adotam alguma prática de economia circular. A mesma pesquisa aponta que 88% dos empresários já reconhecem a importância da economia circular e seus benefícios como redução de custos, aumento de competitividade, promoção da inovação e outros.

Sob a ótica da tecnologia, essa visão impulsionará abordagens que colaboram com a desmaterialização dos produtos – 5G, IoT, AI, Cloud etc.

Essas são algumas das tendências para ficar de olho na discussão de modelos de negócios e novos serviços. Certamente, não se encerram aqui. Poderíamos elencar outras tantas como Customer Experience, Soluções Remotas, Cloud. E, certamente, discutiremos muito delas neste espaço daqui para os próximos anos.